O PESO IDEALEVITA A ELEVAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL

OBESOS ESPERANÇA

17 de abril de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A PRESSÃO ARTERIAL PODE SE ELEVAR EM ADULTOS SEM HISTÓRIA PRÉVIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL COM A ALTA INGESTÃO DE FRUTOSE.


A alta ingestão de frutose em forma de açúcar estava associada ao aumento dos níveis da pressão arterial (PA), de acordo com análises recentes. O recente aumento no consumo de frutose nas nações industrializadas, levou ao aumento na predominância de hipertensão arterial. Foi investigado se a ingestão de frutose com associação de açúcares, aumentou o risco para níveis mais elevados de pressão arterial, em adultos sem um histórico prévio de hipertensão arterial. O consumo médio de frutose de 74 g/dia, equivale a aproximadamente a 2 e ½ bebidas açucaradas ao dia. O aumento da ingestão de pelo menos 74 g/dia de frutose foi independente e significativamente associado com maiores chances de níveis elevados de pressão arterial, após se levar em consideração os dados demográficos, as co-morbidades (doenças co-existentes), a atividade física, a ingestão de quilocaloria total e fatores que poderiam causar confusão na análise, como incluir na dieta de carboidratos totais, o álcool, o sal e a ingestão de vitamina C. O aumento do risco associado ao consumo de frutose de 74 g/dia ou mais, foi de 26% de PA 135/85 mmHg ou superior, 30% de PA 140/90 mmHg ou superior, e 77% de PA 160/100 mmHg ou superior. Estes resultados, sugeriram que a ingestão de frutose, na forma de açúcar, estaria associada com maiores níveis de aumentos da pressão arterial, entre os adultos sem um histórico prévio de hipertensão arterial.


Deve-se levar em consideração, que as análises dependeram de auto-relato para a ingestão de frutose e impossibilidade de excluir a probabilidade de que, os altos teores de glicose dos alimentos ingeridos poderiam contribuir para os resultados. Estes resultados apoiam a hipótese de que o aumento da ingestão de frutose pode resultar em hipertensão através de mecanismos variados. Limitar a ingestão de frutose é fácil, e, à luz dos nossos resultados, estudos prospectivos são necessários para avaliar se a diminuição da ingestão do percentual de frutose a partir de sua adição com açúcares irá reduzir a incidência de hipertensão arterial e do problema da doença cardiovascular na população adulta.

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologia 
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

COMO SABER MAIS:
1. O consumo médio de frutose de 74 g/dia, equivale a aproximadamente a 2 e ½ bebidas açucaradas ao dia? 

http://metabolismocontrolado.blogspot.com/

2. O recente aumento no consumo de frutose nas nações industrializadas, levou ao aumento na predominância de hipertensão arterial? 
http://nutricaocontrolada.blogspot.com/

3. O aumento da ingestão de pelo menos 74 g/dia de frutose foi independente e significativamente associado com maiores chances de níveis elevados de pressão arterial? 
http://hipertensaoarterial2.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.


Referências Bibliográficas:
National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES 2003-2006)
Diana I. Jalal, da Universidade do Colorado, Denver Health Sciences Center, em Aurora, e colegas, J. Am. Soc. Nephrol. 07/01/2010, Medscape Medical News.








Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM 
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com